O Projeto

JOGO, CELEBRAÇÃO, MEMÓRIA E IDENTIDADE:

Reconstrução da Trajetória de Criação, Implementação e Difusão dos Jogos Indígenas no Brasil (1996-2009)

Coordenação

 

Professora Doutora Vera Regina Toledo Camargo

Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo – UNICAMP – SP

 

Professora Livre Docente Maria Beatriz Rocha Ferreira

Laboratório de Antropologia Bio-Cultural – Faculdade de Educação Física – UNICAMP – SP

 

Professora Doutora Olga Rodrigues de Moraes Von Simson – Faculdade de Educação e Centro de Memória – UNICAMP – SP

 

Coordenação Temática Indígena

 

Líder Indígena Carlos Justino Terena

Comitê Intertribal – Memória e Ciência Indígena e Diretor de Eventos Culturais e Esportivos da FUNAI

 

Líder Indígena M. Marcos Terena

Articulador dos Direitos Indígenas – Mentor dos Jogos dos Povos Indígenas –  Fundador do 1° Movimento Indígena Brasileiro, União das Nações Indígenas –  Professor da Cátedra Indígena Itinerante (CII)

 

 

Equipe Participante - Bolsistas

 

Profa. Dra. Glória Kok

Pós-doutora –  Instituto de Filosofia da Faculdade de Ciências Humanas – IFCH – UNICAMP – Professora da Universidade São Camilo –  Bolsista do Projeto ME/UNICAMP

 

Me. Deoclécio Rocco Gruppi

Universidade do Centro Oeste – Guarapuava – Paraná. Doutorando do Programa de Pós Graduação da Faculdade de Educação Física –UNICAMP. Bolsista do Projeto ME/UNICAMP

 

Claudeni Fabiana Alves Pereira

Mestranda do Instituto de Filosofia da Faculdade de Ciências Humanas – IFCH –UNICAMP. Bolsista do Projeto ME/UNICAMP

 

Marina Gomes

Mestranda do Programa de Pós Graduação do LABJOR/IEL-UNICAMP. Bolsista do Projeto ME/UNICAMP

 

Roberta Helena Vieira Tojal

Mestranda do Programa de Pós Graduação da Faculdade de Educação Física – UNICAMP. Bolsista do CNPq.

 

Aline Santos

Graduanda da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Bolsista SAE – UNICAMP

 

Iraí Amana Martins de Souza

Graduanda da Faculdade de Artes Plásticas da Unicamp. Bolsista do CNPq

 

Gediel Prado

Graduando da Faculdade de Geologia – UNICAMP. Bolsista SAE – UNICAMP

 

Mateus Souza Borges

Graduando da Faculdade de Engenharia Mecânica – UNICAMP. Bolsista SAE – UNICAMP

 

Melissa Mõngé

Graduanda da PUC – Brasília. Bolsista do Projeto ME/UNICAMP

 

Rafael da Silva Macedo

Graduando da Faculdade de Ciências Aplicadas do curso de Gestão de Empresas – UNICAMP. Bolsista SAE – UNICAMP

 

Colaboradores 

Nacionais

 

Marina Vinha

Universidade Estadual do Centro Oeste

 

José Ronaldo Fassheber e Liliane da Costa Freitag

Universidade Estadual do Centro Oeste – UNICENTRO – Paraná

 

Itamar Adriano Tagliari

Universidade Estadual do Centro Oeste – UNICENTRO – Paraná

 

Internacionais

 

Manuel Hernandez Vazquez

Universidade Politécnica - Madrid

 

Diana Vicente Ruiz

Universidad Camilo Jose Cela - Madrid

 

 


 

Apresentação

 

Este é um projeto interdisciplinar subvencionado pelo Ministério do Esporte que busca relacionar o campo da memória com o do esporte e o da divulgação científica via acervos audiovisuais.  As próprias trajetórias das três coordenadoras do projeto indicam a possibilidade de uma pesquisa qualitativa integrando textos de diferentes origens e linguagens (textuais, orais, visuais e hipermídia), na reconstrução da criação e implementação dos jogos indígenas no Brasil.

Desde o início do projeto, nosso intuito foi contribuir, através da parceria com o Comitê Intertribal – Memória e Ciência Indígena e Memorial dos Povos Indígenas, com as lideranças indígenas na produção da pesquisa, com vistas a  elaborar um conteúdo científico sobre os jogos capaz de alimentar os órgãos responsáveis pela criação dos mesmos.

Trata-se de um projeto essencialmente documental, com o objetivo de organizar a informação e a documentação localizadas em diferentes acervos do país, tais como: veículos de comunicação (rádio, televisão, jornal, revista e internet), bancos de dados e imagens do Ministério do Esporte, do Comitê Intertribal – Memória e Ciência Indígena e demais órgãos do governo e não governamental.

 

Justificativa 

No processo de reconstrução das identidades indígenas, os Jogos dos Povos Indígenas têm se destacado como uma das mais importantes manifestações culturais do país. De acordo com as informações do Ministério de Esporte (http://www.esporte.gov.br/jogos_indigenas/historico.asp

a cada ano o evento se transforma em uma grande celebração de paz, que traduz a harmonia e o equilíbrio das sociedades tribais. Além dessa confraternização pacífica, os Jogos têm por finalidade a integração dos povos indígenas, o incentivo, a valorização e o fortalecimento da prática de esportes tradicionais e a revalorização da identidade indígena (BRASIL, 2007).

 

O presente projeto desencadeia um processo de salvaguarda desse momento histórico-social de caráter híbrido, em que os jogos das tradições indígenas e o esporte contemporâneo coexistem. Neste sentido, estamos propondo outro olhar, em que hibridação não é sinônimo de relações sem contradições, mas, sim, que pode contribuir para elucidar tensões geradas nas inter-relações culturais (CANCLINI, 2006)

 

Relevância

 

Os estudos sobre a memória têm indicado que aquela que corresponde à visão dominante, chamada de “memória coletiva”, encontra facilmente espaços de registro, organização e divulgação naquilo que é denominado “lugares da memória” (arquivos, bibliotecas, monumentos e outros), enquanto as memórias dominadas, subterrâneas ou colonizadas, necessitam do esforço de pesquisadores especializados para que possam emergir e ocupar seus lugares, ampliando a memória coletiva. Uma noção freqüente na literatura científica é que a memória é parte constitutiva do sentimento de pertencimento que conduz à cidadania consciente e responsável. Portanto, dar voz, lugar e registro à memória dos grupos indígenas brasileiros, historicamente dominados, efetiva sua inserção no computo dos cidadãos nacionais. Este projeto pretende ser uma pequena contribuição na busca deste objetivo fundamental.

 

Área Geográfica

 

O projeto teve como base três Instituições da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), localizada no Estado de São Paulo: Laboratório de Antropologia Bio-cultural da Faculdade de Educação Física, Centro de Memória da Faculdade de Educação e Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo.

A Universidade Estadual de Campinas é uma autarquia, autônoma em política educacional, mas subordinada ao governo estadual no que se refere a subsídios para a sua operação. Esta universidade possui um complexo de ensino e pesquisa implantado em quase três milhões de metros quadrados de área, repleto de edifícios, parques e gramados. Para mais informações acesse a página: http://www.unicamp.br/anuario/2006/quadrogeral.html.

 

OBJETIVO GERAL

O objetivo deste trabalho foi a construção da memória dos jogos dos povos indígenas com o intuito de elaborar um conteúdo científico sobre os mesmos que possa contribuir na visibilidade e identidade dos povos indígenas.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

·         Organização da documentação constante de diferentes acervos no país: veículos de comunicação (radio, televisão, jornal, revista e internet), bancos de dados e imagens do Ministério do Esporte, Comitê Intertribal – Memória e Ciência Indígena, demais órgãos do governo e não governamental que possam ter material de pesquisa.

·         Revalorização e divulgação dos jogos das tradições indígenas;

·         Contribuição na organização do acervo sobre os Jogos para possibilitar o acesso de pesquisadores e etnias e outros públicos que possam se interessar;

·         Constituição de banco de dados digital que facilitarão a organização dos próximos jogos indígenas;

·         Produção de bibliografia científica a respeito do tema;

·         Divulgação da memória dos jogos em congressos científicos nacionais e internacionais;

·         Possibilidade de embasar material didático focalizando Jogos Indígenas realizados;

·         Possibilidade de embasar atividades artísticas baseadas nos Jogos Indígenas;

·         Contribuir para o fortalecimento das identidades étnicas e das identidades do ser indígena

·         Produção de trabalhos científicos e eventos científicos.

·         Produção de documentos orais e audiovisuais cobrindo o processo dos Jogos dos Povos Indígenas, no período de 1996 a 2009.

 

METODOLOGIA

 

            A metodologia utilizada no presente projeto foi qualitativa valendo-se do método biográfico e da história oral, baseado em diferentes suportes empíricos (textos, orais, audiovisuais e hipermídia) com base nos acervos expostos acima, na busca de uma intertextualidade que permita a reconstrução dos fenômenos passados muito mais próxima da forma como aconteceram. As informações foram obtidas nos diferentes acervos dos Jogos dos Povos Indígenas (âmbito nacional) em Goiânia (1996), Guairá/PR (1999), Marabá/PA (2000), Campo Grande/MS (2001), Marapani/PA (2002),Palmas/TO (2003), Porto Seguro/BA (2004), Fortaleza/CE (2005), Recife/Olinda/PE (2007), Paragominas/PA (2009), assim como dos Jogos Estaduais em Conceição do Araguaia/Pará (2006) e Campos Novos dos Paresis (2007).

Desta forma, os depoimentos orais encontrados nos acervos midiáticos de lideranças indígenas e participantes dos jogos foram complementados por uma coleta extensiva das imagens que registraram esses eventos, em constante diálogo entre a documentação oficial (textual) e aquela proveniente da mídia. Esta intertextualidade facilitou a produção de materiais escritos e audiovisuais que contém a memória dos jogos indígenas, que será divulgada tanto para as etnias que participaram dos jogos como também para a sociedade mais ampla.

 

EQUIPE TÉCNICA RESPONSABILIDADES E AÇÕES

 

Vera Regina Toledo Camargo

Professora de Educação Física e Comunicadora, pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, LABJOR - Unicamp.

  • Gestão financeira do projeto;
  • Responsável pelos processos de coleta de material empírico e sua subseqüente análise nas etapas do projeto;
  • Participou na constituição do banco de história oral e do banco de imagens fotográficas e audiovisuais;
  • Colaborou com as demandas do grupo;  
  • Participou da elaboração dos relatórios parciais e finais;
  • Orientou monografias, teses e pesquisas ligadas à temática;
  • Participou de seminários, congressos e encontros sobre a temática da pesquisa;
  • Divulgou os resultados da pesquisa em eventos científicos e publicações;
  • Produziu, no suporte audiovisual, propostas midiaticas que colaboraram no processo de divulgação da memória dos jogos junto às populações indígenas e junto à sociedade mais ampla.
  • Site: www.labjor.unicamp.br

 

Maria Beatriz Rocha Ferreira Antropóloga e Professora de Educação Física. Professora da Pós-Graduação da FEF- UNICAMP.

  • Propiciou o diálogo e as ações entre os diferentes pesquisadores proponentes deste projeto;
  • Disponibilizou os meios para o sucesso do projeto;
  • Participou dos procedimentos para o desenvolvimento do método de história oral associado à análise de fotografias históricas;
  • Auxiliou nos processos de coletas, análises e transcrições dos depoimentos orais;
  • Participou na constituição do banco de história oral e do banco de imagens fotográficas;
  • Participou do fichamento temático dos depoimentos orais;
  • Participou da elaboração dos relatórios parciais e finais;
  • Orientou monografias e pesquisas ligadas à temática;
  • Participou de seminários, oficinas e workshops sobre a metodologia de história oral;
  • Divulgou os resultados da pesquisa em eventos científicos e publicações.
  • Site: www.fef.unicamp.br

 

Olga Rodrigues de Moraes von Simson (Orientação metodológica visando à aplicação do método de historia oral associado a análise de fotografias históricas)

Socióloga, Professora Colaboradora da Faculdade de Educação e Pesquisadora do Centro de Memória da Unicamp.

 

  • Ofereceu um curso intensivo sobre a metodologia qualitativa da História Oral à equipe de pesquisadores que integrou o presente projeto;
  • Supervisionou os processos de coleta transcrição e análise dos depoimentos orais;
  • Orientou a constituição do banco de história oral e do banco de imagens fotográficas;
  • Supervisionou o fichamento temático dos depoimentos orais;
  • Participou da elaboração dos relatórios parciais e finais;
  • Orientou doutorados ligados à temática;
  • Desenvolveu propostas de atividades de educação não formal para crianças e idosos que serão desenvolvidas no Memorial dos Povos Indígenas, após a instalação do acervo.
  • Site: http://www.centrodememoria.unicamp.br

 

COMUNICAÇÃO DO PROJETO

  • Realização de um Fórum;
  • Elaboração de uma publicação contendo os dados do projeto;
  • Elaboração de um site –

            http://www.labjor.unicamp.br/indio

  • Elaboração de um banco de dados –

            http://www.labjor.unicamp.br/indio/galeria/main.php

 

REFERÊNCIAS

 

ALMEIDA, A.J.M. Esporte, jogos e brincadeiras: compreendendo elementos interculturais para educação escolar indígena crítica. In: GRANDO,  B.S.; PASSOS, L.A. (org). O eu e o outro na escola: Contribuições para incluir a história e a cultura dos povos indígenas na escola. Ed. EDUFMT, Cuiabá, 2010.

ALVISI, L .Memória, Resistência e Empoderamento. A constituição do Memorial Padre Carlos de Poços de Caldas/MG. 2008. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

AZEVEDO, M. M. Diagnóstico da População Indígena no Brasil. Revista Ciência e Cultura. Ano 60, n. 4, out./dez., 2008, p. 19-22.

BELENI, S.G.; XAVANTE, S.I, CAMPOS, N.S. Jogos/brincadeiras indígenas: a memória lúdica de adultos e idosos de dezoito grupos etnicos. In: GRANDO,  B.S.; PASSOS, L.A. (org). O eu e o outro na escola: Contribuições para incluir a história e a cultura dos povos indígenas na escola. Ed. EDUFMT, Cuiabá, 2010.

BELENI, S.G. O Jogo da educação do corpo e a identidade Bororoem espaços de fronteiras etnicas e culturais. In: GRANDO,  B.S.; PASSOS, L.A. (org). O eu e o outro na escola: Contribuições para incluir a história e a cultura dos povos indígenas na escola. Ed. EDUFMT, Cuiabá, 2010.

BRASIL. Constituição. (1988).  Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Senado, 1988.

BORGES, E.C.& BUONICORE, A. C. Memória do Esporte Educacional Brasileiro: Breve História dos Jogos Universitários e Escolares. São Paulo: Centro de Estudos e Memória da Juventude, 2007.

CAMARGO,V.R.T. A profissionalização do jornalista esportivo: convergências entre divulgação científica e espetacularização do esporte na TV brasileira In: Produção e Circulação do Conhecimento: Política, Ciência, Divulgação ed.Campinas : Pontes, 2003, v.2, p. 181-192. 7. 

CAMARGO,V.R.T. A Cultura do Lazer e o Papel das ONG’s : O exercício da Cidadania In: COMUNICAÇÃO PUBLICA.1 ed. CAMPINAS : ALINEA, 2004, v.1, p. 159-166.

CAMARGO,V.R.T. Corpos e Poder: Comunicação, Política e Esporte In: Comunicação Política e Sociedade ed. Campinas : Alínea, 2005, v.1, p. 113-120.

CAMARGO, V. R. T. Futebol, Mídia e Negócio, 2006. (Mesa redonda, Programa de Rádio ou TV)

CAMARGO,VR.T., ROCHA FERREIRA, MB, Tocha Olímpica: O chamado intercultural, 2007. (Outra, Programa de Rádio ou TV)

CAMARGO, V. R. T. Juego tradicional autóctono y el juego inducido In: II Jornadas Deporte y Cooperación Internacional- Los Juegos de los Pueblos Indigenas en Latinoamerica, 2007, Madri.  II JORNADAS DEPORTE Y COOPERACIÓN INTERNACIONAL – LOS JUEGOS LE LOS PUEBLOS INDÍGENAS EN LATINOAMERICA, 2007.

CAMARGO, V. R. T., VOGT, A. L.; MEZZACAPPA, M. Curso de Jornalismo Científico do Labjor/Unicamp: A construção de uma cultura de comunicação pública da ciência In: CONGRESSO IBEROAMERICANO: Ciudadania y Politicas Públicas em Ciencia y Tecnolgia, 2008, Madrid.  Anais del CONGRESSO IBEROAMERICANO: CIUDADANIA y POLITICAS PÚBLICAS EN CIENCIA y TECNOLOGIA. , 2008. v.1. p.41 - 41 2. 

CAMARGO, V.R.T, BRAGION, L. TOJAL, R. ROCHA FERREIRA, M.B. Mídia e divulgação científica e instrumentos para a preservação das culturas: um olhar sobre os jogos interculturais dos povos indígenas. Revista Eletrônica CEDOC/SEME - ISSN 2176-963XAno 1, n. Especial, março 2010.

CANCLINI, N. G. Culturas Hibridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP (Ensaios latino-americanos), 2006.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras; Secretaria Municipal da Cultura; Fapesp, 1992.

CHAUI, M. Simulacro e poder. Uma análise da mídia. São Paulo: Perseu Abramo, 2006.

CUNHA, M.C. Política indigenista no século XIX. In: História dos índios no Brasil. Companhia das Letras, 1992, p. 133-154.

DAVIS, K. Biografia como metodologia crítica.” In Historia, Antropologia y Fuentes Orales. Memoria Rerum, no. 30, 3ª. época, Barcelona, pp 133-160. 2003.

ELIAS, N. e DUNNING, E. A busca da excitação. Memória e Sociedade. DIFEL, Lisboa 1992.

ELIAS, N.. The society of individuals. Continuum, New York, 2001. Em português - A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

FASSHEBER, J.R.M. Etno-Desporto Indígena: a Antropologia Social e o campo entre os Kaingang. Brasília: Ministério do Esporte/1º Prêmio Brasil de Esporte e Lazer de Inclusão Social, 2010.

FASSHEBER, J.R.M., FREITAG, L. C., ROCHA FERREIRA, M.B. Jogos dos povos indígenas: um “lugar” de negociações sociais. In: O eu e o outro na escola: contribuições para incluir a história e a cultura dos povos indígenas na escola. GRANDO, B.S.& PASSOS, L.A. (orgs.) Cuiabá,  EdUMT, 2010, p. 139-151.

FASSHEBER, J.R. & ROCHA FERREIRA, M.B. A eficácia do futebol entre os Kaingàng. Anais da 23ª Reunião de Antropologia. Gramado/RS, 16 a 19 de junho de 2.002. (CDRom).

 

FASSHEBER, J.R.M.; ROCHA FERREIRA, M.B.Etno-futebol indígena. Revista ComCiência– Revista eletrônica de Jornalismo Científico. UNICAMP, Campinas, 2006. Disponível em http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=16&id=153.

FERREIRA, I. T. “Jogos Estudantis Brasileiros–JEBS” In DACOSTA, L. (ORG.). Atlas do Esporte no Brasil: Atlas do Esporte, Educação Física e Atividades Físicas de Saúde e de Lazer no Brasil. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

FREITAG, L. da C. Extremo-oesteparanaense: história territorial, região, identidade e  (re)ocupação 2007. Tese. (Doutorado) UNESP, Franca. 2007.

FRISCH, M. Towards a Post-Documentary Sensibility: the Democratic Uses of a Broadned Conception of Method and Practice in Oral History. SEMINÁRIO SHARING AUTHORITY.. Building Community Alliance Through Oral History, Digital Story-Telling and Collaboration. Montreal: University of Concordia (mimeo), 2008.

FRISCH, M. A Shared Authority – essays on the Craft and Meaning of Oral and Public History. Albania, State University of New York, 1990.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO (FUNAI). Jogos dos Povos Indígenas. Disponível em: http://www.funai.gov.br/indios/jogos/conteudo.htm  Acessado em 13 nov 2010.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO (FUNAI).

http://www.funai.gov.br/indios/jogos/curiosidades.htm, Acessado em 05/03/2011.

GALLOIS, D.T. Arte iconográfica waiãpi,  in VIDAL, L. (org.), Grafismo Indígena. Estudos de Antropologia Estética, São Paulo, Studio Nobel/Edusp/Fapesp, pp. 209-30, 1992.

GALLOIS, D.T.Patrimônio Cultural Imaterial e Povos Indígenas. São Paulo, IEPÉ, 2006.

GALVÃO, Eduardo. Cultura e sistema de parentesco das tribos do alto rio Xingu. Boletim do Museu Nacional, Nova Série, Antropologia 14. Republicado em encontro de sociedades: índios e brancos no Brasil. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1953, pp. 73-119.  

GRUPPI, D.R.; ROCHA FERREIRA, M. B. Os Jogos Indígenas: Processo de Ressignificação das Práticas Corporais dos Kaingang. In: II ENCONTRO ALESDE (Associação Latino-Americana de Estudos Sócio-culturais do Esporte – Centro de Investigacion ‘Estudios em Educacion Física, Salud, Deporte, Recreacion y Danza’). Maracay – Venezuela, 2010.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. S.Paulo. Vértice/Rev. dos Tribunais.1990.

HERSCOVITZ, Heloiza. Análise do Conteúdo em Jornalismo IN LAGO, C. e LAGO, M. Metodologia de pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Enciclopédia [Online]. São Paulo, Instituto Socioambiental. Disponível em http://www.socioambiental.orgAcessado em 10 nov 2010.

HUIZINGA, J.. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo : Editora Perspectiva.1993.

JUREMA, J. GARCIA, R. A Amazônia entre o esporte e a cultura. Manaus: Editora Valer, 2002.

JUNQUEIRA, C. Os índios de Ipavu: um estudo sobre a vida do grupo Kamaiurá. São Paulo: Editora Ática, 1978.

KOK, Glória. Os vivos e os mortos na América portuguesa: da antropofagia à água de batismo. Campinas: Unicamp, 2001.

LOPES VON VRIESSEN, C.  O Palin dos Mapuches do Chile – O mais importante Jogo Aborígine da América do Sul. In: VII Congresso Brasileiro de História de Educação Física, Esporte, Lazer e Dança. Anais e Resumos. Gramado (2000), 193-199.

KOWALSKI,, Bel. ROCHA FERREIRA, MB. Aproximações sobre o “Corpo” e o Povo Indígena. IX SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR: Tecnologia e Civilização. Mesa Temática: Corpo, Cultura e Tecnologia. ISBN – 85-7014-030-4.Pgs. 155 a 175. (Paper). Evento Internacional. Home pagewww.cefetprpg.br . Gráfica da UFTPR. Ponta Grossa/ Pr, 2005. Cdrom.

LIMA, A.C.S. O governo dos índios sob a gestão do SPI. In: História dos índios no Brazil. Companhia das Letras, 1992, p. 155-172.

MARQUES DE MELO, J.. Estudos de Jornalismo Comparado.São Paulo: Pioneira, 1972

MARQUES DE MELO, J.. A imprensa como objeto de estudo científico no Brasil: Contribuições de Gilberto Freyre e Luiz Beltrão. In Estudos de Jornalismo comparado. São Paulo: Pioneira, 1972.

MATOS, G.C.G.;  ROCHA FERREIRA, M.B. Práticas corporais num ambiente rural Amazônico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 28, p. 55-77, 2007.

MAUSS. M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac&Naify, 2003.

MEHRINGER, J. & DIECKERT, J. Running to keep the world going. The log race performed by Brazilian Canela Indians seen from an “emic” point of view. In: Journal of Comparative Physical Education and Sport. 19 (1997), 2, 85-95.

MELATTI, J.C. Indios do Brasil. Edusp, 2007.

MELE, V. V. & RENSON, R. Traditional games in South America. Schorndorf: Hofmann, 1992.

MIRANDA, LUCIANO. Pierre Bourdieu e o campo da comunicação: por uma teoria da comunicação praxiológica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

MONTEIRO, J. M. Tupis, Tapuias e Historiadores: Estudos de História Indígena e do Indigenismo. T233 f. Tese de Livre-Docência, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas 2001.

MOTA, C.N. Ser indígena no Brasil contemporâneo: novos rumos para um velho dilema. Revista Ciência e Cultura. Ano 60, n. 4, out./dez., 2008, p. 22-24.

MULLER,  R. P. Mensagens visuais na ornamentação corporal Xavante. In: VIDAL, Lux (org). Grafismo Indígena: estudo de antropologia estética. São Paulo, Studio Nobel/Edusp/ Fapesp, 1992.

MUNIZ SODRÉ, Reiventando a cultura: A comunicação e seus produtos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

NABOKOV, P. Indian Running. Santa Barbara: Capra Press, 1981.

NAVEIRA, M. C. A festa do futebol: as formas esportivas da sociabilidade Yawanawa In: FERNANDES, R.C.O Futebol no Brasil dos Índios. Florianópolis, 2006.

NIEZEN, R. Theoriginsofindigenism. Humanrightsandthepoliticsofidentity. Universityof Califórnia Press. Berkeley,  2003.

NORA, P.. Leslieux de lamemoire. La Republique, Paris, Gallimard, 1984.

PERKS, R& THOMSON, A.(org) (2006) The Oral History Reader. 2a. ed, London/New York: Routlegde

PINTO, L. M. S. M. & GRANDO, B. (org.). Brincar, Jogar, Viver: IX Jogos dos PovosIndígenas./Cuiabá: Central de Texto, 2009. 

PORTELLI, A.Forma e Significado na História Oral – A pesquisa como um experimento de igualdade. Revista Projeto História. S.Paulo: PUC/SP,  no. 15, abr., p. 13 a 19, 1997.

RAMÍREZ, F. E., MORAL J. F. Área de EspecializaciónPeriodística. Madrid:  Editorial Frágua, 1999.

ROBERTS, J. M, ARTH, MALCOLM J., BUSH, R. R. Games in culture. American Anthropologist, 61 (1959), 597-605

ROCHA FERREIRA, M.B. A brief look at traditional games in South América In: Pfister, G. (ed.): Games of the past - sports for the future? Globalisation, Diversification, Transformation. Academia Verlag (ISBN 3-89665-264-8) - Sankt Augustin - Germany, 2004, p. 49-65.

ROCHA FERREIRA, M.B. Jogos dos Povos Indígenas. In: Desafios atuais da Educação Escolar Indígena. Anais do 6 Encontro sobre Leitura e Escrita em Sociedades Indígenas: desafios atuais da educação escolar indígena. VEIGS, J. & ROCHA FERREIRA, M. B.: Campinas, SP: ALB, Núcleo de Cultura e Educação Indígena; (Brasília): Ministério do Esporte, Secretaria Nacional de Desenvolvimento do Esporte e Lazer, pg. 188-204, 2005. Ficha catalográfica IEL – UNICAMP CRB 8/6934.

ROCHA FERREIRA, M.B. VINHA, M., FASSHEBER, J.R., TAGLIARI, J.R. UGARTE, M.C.D. Cultura corporal indígena. In Atlas do Esporte no Brasil. Org. Lamartine Pereira da Costa, Shape Editora e Promoções Ltda. Rio de Janeiro, 1ª Edição – 2005, p. 35-36.

ROCHA FERREIRA, M.B. VINHA, M.. Olímpiadas na floresta. Revista de História da Biblioteca Nacional. Ano 2, n. 22, P. 26-30, 2007. ISSN 1808-4001.

ROCHA FERREIRA, M.B., FIGUEIRA JR., ÁLVARES, L.D. Relatório dos Jogos Indígenas. Apresentado ao Ministério do Esporte e Comitê Intertribal - Memória e Ciência Indígena, 2006.

ROCHA FERREIRA, M.B. ; HERNANDEZ, M.; CAMARGO, V.R.T. VON SIMSON, O.R. Jogos Indígenas, Realizações Urbanas e Construções Miméticas. Revista Ciência e Cultura. Temas e Tendências. SBPC, 60:4, 2008, p. 47-49. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252008000400020&lng=en&nrm=iso>. Acessoem: 21  Aug.  2009.

ROCHA FERREIRA, M.B & FASSHEBER, M.B. Juegos Idigenas: Figuraciones y Mimesis em Norbert Elias. In: Carina V. Kaplan Y Victoria Orce. (Org.). Poder, prácticas soliales y proceso civilizador. Los usos de Norbert Elias. Buenos Aires: Noveduc, 2009, v. 1

ROCHA FERREIRA, M.B ; VINHA, M. ; CAMARGO, V. R. T . Associativismo étnico e os jogos dos povos indígenas. In: XIII SIMPOSIO INTERNACIONAL DE PROCESOS CIVILIZADORES, Bogota, 2010. p. 1-9.

SANT’ANA, G.R. História, espaços, ações e símbolos das associações indígenasTerena. 2010. 331 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

PINTO, L.M.S.M.; GRANDO, B. S. (orgs). Brincar, Jogar, Viver: IX Jogos dos Povos Indígenas. Cuiabá: Central de Texto, 2009.

SEVCENKO, N. Fim da História. Revista Atrator Estranho, Escola de Comunicação e Artes da USP, nº 19, janeiro de 1996.

SFEZ, L. Critica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994.

SOARES, A. A. O corpo do indio amazônico: estudo centrado no ritual da worecu do Povo Ticuna. Tese (doutorado). Universidade do Porto, Faculdade de Ciência do Desporto e Educação Física. Porto, 1999.

TAGLIARI, I.A. Diversidade, práticas corporais e saúde: a questão indígena na escola. In: O eu e o outro na escola: contribuições para incluir a história e a cultura dos povos indígenas na escola. GRANDO, B.S.& PASSOS, L.A. (orgs.) Cuiabá,  EdUMT, 2010, p. 139-151.

TAVARES, S.C. A reclusão pubertária no Kamayurá de Ipawu – um enfoque biocultural. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas. Campinas – SP, 1994.

TAVARES, S.C. O campeão – um protótipo do tipo ideal xinguano. In: Revista Conexões, 4 (2000), 38-45.

TAUSSIG, M. Mimesisandalterity a particular history of thesenses. New York/London: Routledge, 1993.

TERENA, M. O Esporte como resgate de Identidade e Cultura. In: ROCHA FERREIRA, M. B. et al.. Cultura Corporal Indígena. Guarapuava: Ed. Unicentro, 2003, p 15-24.

TERENA C. J. O importante não é ganhar, mas celebrar. Revista de História da Biblioteca Nacional, julho 2007, p. 31. Acesso net em 09/09/2009. http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=detalhe&id=735

TERENA, C. Carlos Terena: Depoimento [ago. 2009]. Entrevistadora: Diana Vicente Ruiz – LABJOR-UNICAMP, Entrevista concedida ao LABJOR/UNICAMP, Campinas-SP.

TURNER V.: The forest of symbols – Aspects of Ndembu ritual. Ithaca: Cornell University Press, 1991.

VAZQUEZ, M.H., VICENTE, D.R., ROCHA FERREIRA, M.B., CAMARGO, V.R.T, PAOLIS, F, TOJAL, R. Juegos Interculturales Indígenas / Jogos Interculturais Indígenas (bilíngüe). Reprografía Doppel, S.L. Madrid, 88 p., 2008. ISBN - 978-84-691-5336-9 Disponivel em: www.museodeljuego.org/_xmedia/contenidos/0000000048/docu7.pdf. Acessoem: 21 ago. 2009.

VIANNA, Fernando Fedola L. B. Jogos e Esporte. Disponível em:  www.socioambiental.org.br Acesso em: 21 novembro de 2000.

VIDAL, L. (org). Grafismo Indígena: estudo de antropologia estética. São Paulo, Studio Nobel/Edusp/ Fapesp, 1992

VILANOVA. M.  Rememoración em la Historia.”in Historia,antropologia y fuentesorales. MemoriaRerum, no. 30, 3ª. epoca, pp. 23 a 40. Barcelona,  2003.

VINHA, M. Corpo-sujeito Kadiwéu: jogo e esporte. 2004. Tese. (Doutorado em Educação Física) Faculdade de Educaçao Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

VINHA, M., ROCHA FERREIRA, M.B. Esporte entre os índios Kadiwéu. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 24, p. 145-158, 2003.

VINHA,  M. & ROCHA FERREIRA, M. B. . Jogos em desuso? Relatos a partir do século XVIII sobre os jogos na sociedade indígena Kadiwéu. Coletânea do V Encontro de História do Esporte, Lazer e Educação Física. Maceió, 587-592, 1997.

VIVEIROS DE CASTRO, E. B. A fabricação do corpo na sociedade xinguana. In: A construção da pessoa nas sociedades indígenas. Boletim do Museu Nacional, N.S, 32 (1979), 40-49.

VON SIMSON, O. R. M. Memória e Identidade Socio-Cultural: reflexões sobre pesquisa, ética e compromisso. In: Park, M (org) Formação de Educadores: memória, patrimônio e meio-ambiente. Campinas, Mercado de Letras, 2003, p. 85 -105.

VON SIMSON, O. R. M. Construindo a história recente de Jarinu através da memória compartilhada. In Park, Margareth B. (org.) Memória em Movimento na Formação de Professores: prosas e histórias. Campinas. S. Paulo: Mercado de Letras, 2000, p. 9 a 12.

VON SIMSON, O. R. M. (org) Os desafios contemporâneos da História Oral. Campinas. Centro de Memória da Unicamp, 1997.